Se você organiza eventos, sabe quantos emails e negociações são necessárias para a realização de uma pequena reunião.

Se você é hoteleiro ou aluga espaços de eventos, sabe o quanto precisa manter seus espaços rentáveis em um mercado sempre sazonal.

Não à toa, o maior desejo de quem organiza eventos é uma experiência fácil e segura na locação de espaços. Não à toa, o maior desejo de quem aluga espaços, são soluções rentáveis.

Esses são alguns dos motivos que, há algum tempo, evidenciam o aumento de plataformas online, market places para reservas de espaços de eventos no exterior, que investem no dinamismo e ambiente colaborativo.

Plataformas tradicionais como Cvent, com mais de 800 usuários, são geradores de RFPs.

Mas vamos combinar que RFPs são universalmente odiados por fornecedores e compradores. Hotéis gastam muito tempo e dinheiro para responder RFPs, com menos de 1% de conversão. Do outro lado, clientes não tem retorno de muitos dos hotéis/espaços que eles realmente querem. Em resumo, ninguém quer usá-los também para reuniões pequenas.

Sites e aplicativos como Spacebase Bizly foram algumas das plataformas que nasceram com o propósito de matar o RFP para eventos pequenos. E acabaram descobrindo uma mina de ouro nas reuniões de menos de 100 pessoas, comumente pagos com cartões de crédito corporativos.

No Brasil, a novidade chegou ainda mais completa. A startup loc.space, no mercado desde fevereiro desse ano, já conta com mais de 800 espaços de eventos cadastrados. Prometendo eliminar as ‘dores de cabeça’ normais do processo manual da contratação de eventos, é considerada a primeira OTA de eventos do país.

Com a proposta de intermediação, tem um modelo de negócio muito próximo de uma OTA normal, cobrando 16% do hotel mediante confirmação do evento. O pagamento é feito com cartão de crédito no site.

Vantagens pelo lado de quem compra:

  • Sem custo para usuário final
  • Cotação de pacotes com espaço, A&B e equipamentos juntos.
  • Comparação de preços para eventos até 800 pessoas, sendo que o foco são eventos de até 300.
  • Informações centralizadas em um único market place.
  • Disponibilidade online

PrincipalEconomia de Tempo.

Vantagens pelo lado de quem vende:

  • Minimizar o impacto da sazonalidade, com possibilidade de aumento de até 30% nas vendas.
  • Maior amplitude de comunicação (SEO e SEM).
  • Curadoria do conteúdo online.
  • Gestão de preço/inventário dos espaços de eventos.

Principal: Sistema de Gestão gratuito para hotéis, que engloba eventos reservados na plataforma online e também os negociados offline (fora do site). Ou seja, funciona como um sistema operacional mesmo.

Essa, sem dúvida, é a grande sacada da loc.space para agregar valor à hotelaria. Unir a intermediação com a gestão de eventos foi realmente inovador.

Hotéis como Royal Tulip Brasília, Blue Tree Brasília, Rede Nacional Inn, Rede Pestana, Meliá Brasil 21, e outros, já usam o novo canal de venda para suas salas de eventos. Do outro lado, empresas como Cacau Show, Gol, Ambev, Natura, Herbalife já organizaram eventos pelo site.

No futuro, plataformas americanas já estão trabalhando para agregar: chats online (assim como o hóspede pode falar com o anfitrião do Airbnb), sugestões sobre os arredores do local do evento, download de plantas baixas, folhetos, menus, solicitações especiais, conexão com plataformas de reservas por adesão aos seus eventos, etc.

Por aqui, a loc.space prevê reservas de apartamentos, mas sempre conectados à eventos. A intenção de concorrer com Booking.com ou Expedia está descartada.

Pois é, o mundo continua girando. Quem facilita processos de forma segura e rentável continuará saindo na frente. Ou seja, muita coisa boa (e online) ainda vem por aí no segmento de eventos. Fique atento e Conecte-se!

http://blog.panrotas.com.br/check-in/#.Wi3r7Upl_IU

Gabriela Otto

últimos Artigos

ANÁLISE DE PERIGOS – MEDIDAS DE CONTROLO – Perigos químicos

Higiene e Segurança Alimentar
• Controlo de fornecedores • Controlo do processo • Utilização de recipientes próprios • Realização de atividades de higienização • Controlo de rotulagem [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – MEDIDAS DE CONTROLO – Perigos biológicos

Higiene e Segurança Alimentar
• Processamentos térmicos • Refrigeração e congelação • Secagem • Acidificação • Salga • Adição de aditivos • Fermentação • Embalagem • Inspeção visual [...]

Análise de Perigos – Medidas de Controlo

Higiene e Segurança Alimentar
No final da análise de perigos devem ser consideradas as medidas de controlo para os perigos identificados Medidas de controlo – “Medidas adotadas para controlar perigos identificados, que se destinam [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – CATEGORIAS

Higiene e Segurança Alimentar
Desprezível Não requer medidas específicas Tolerável  Não é necessário melhorar a medida preventiva. É necessário vigilância de modo a assegurar que se mantém a eficácia das medidas de controlo. Moderado [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – RISCO

Higiene e Segurança Alimentar
Função da probabilidade de um perigo ocorrer num processo e afetar a segurança do alimento:  Risco Alto  – é provável que aconteça  Risco Médio – pode acontecer  Risco Baixo  – [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – Severidade Baixa

Higiene e Segurança Alimentar
Causa mais comum de surtos, com disseminação posterior rara ou limitada. Relevantes quando os alimentos ingeridos contêm uma grande quantidade de patogénicos, podendo causar indisposição e mal estar, [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – Severidade Média

Higiene e Segurança Alimentar
A patogenicidade é menor bem como o grau de contaminação. Os efeitos podem ser revertidos por tratamento médico, no entanto podem incluir hospitalização. SEVERIDADE MÉDIA Exemplos Biológico: Salmonella [...]

ANÁLISE DE PERIGOS – Severidade Alta

Higiene e Segurança Alimentar
Efeitos graves para a saúde do consumidor, obrigando a internamento e podendo inclusive provocar a morte.   SEVERIDADE ALTA Exemplos Biológico: Toxina do Clostridium botulinum, Salmonella typhi, [...]

geral@pro-thor.com | Pro-Thor © 2015-2017 | Todos os direitos reservados.